Futebol

Relembre os fatos de quando a maior competição só terminou no ano seguinte

1

Ano novo, competição velha. A piadinha é clichê, mas a situação de iniciar um ano com um Brasileiro que começou no ano anterior também não é lá muito original. É verdade que em 2020 o atraso foi em decorrência de uma grave pandemia causada pela Covid-19, que segue alarmante, mas a falta de organização do nosso futebol foi decisiva em outras épocas.


1959... A Taça Brasil não vai para Pelé

Na primeira grande competição nacional, o Santos era tido como favorito. No entanto, o título foi parar em Salvador. Mais especificamente com o Bahia, de Biriba e Alencar. A competição reuniu 15 campeões estaduais e o campeão do Distrito Federal, e só foi acabar em 1960 por falta de datas.

Isso porque, à época, o torneio não era lá a prioridade dos clubes. O terceiro e decisivo jogo da final, que tinha uma vitória para cada lado, só foi realizado três meses após o segundo duelo. Isso porque o Santos estava em excursão na Europa.
 

O Santos e a agenda apertada

Com Pelé e companhia, não havia no mundo uma pessoa que amasse futebol que não quisesse ver o Rei jogar de perto. A procura, lógico, deixava o Santos com um caminhão de amistosos pelo planeta. De quebra, o Peixe ainda tinha certa mania de conquistar Mundiais. E foi assim que o Alvinegro praiano ganhou as regalias de iniciar as Taças Brasil de 1962 e 1963 na semifinal.

O efeito prático disso é que o Peixe só jogou a final da Taça Brasil de 1962 no ano seguinte, por conta da disputa do Mundial. Pior para o Botafogo, que acabou derrotado. Enquanto isso, a Taça Brasil de 1963 só terminou em 1964, justamente porque o Santos só poderia estrear após a conquista de mais um Mundial. Como entrava na semifinal, venceu o Grêmio e conquistou a taça diante do Bahia.

Confusão, teu nome é 1968

Amiga de longas datas do futebol brasileiro, a desorganização estava em alta em 1968. A competição só acabou mais de 14 meses após o início e a semifinal, meus amigos e minhas amigas, é digna de roteiro de comédia. O Botafogo venceu o Metropol, de Santa Catarina, por 6 a 1. Até aí, tudo bem.

Mas ao ser derrotado por 1 a 0, o Alvinegro foi obrigado a disputar uma partida extra, que só foi ocorrer em abril. Não suficiente, no intervalo do jogo, acabou a energia do General Severiano. Problema que fez o duelo ser remarcado para o dia seguinte.

Eis que havia um problema: o Metropol tinha retornado para Santa Catarina e a confusão estava feita. Só em outubro que o Botafogo foi declarado vencedor e acabou derrotando o Fortaleza na final. E você achando que 2020 foi conturbado...

 

A ditadura militar e o "quanto mais, melhor"

Em 1973, a relação entre política e futebol fez o Brasileiro elevar a quantidade de equipes. Embalada pela pressão da ditadura militar, a CBF quase que dobrou o número de participantes: de 26 passou para 40. Lógico, o número causou um aperto no calendário e a competição só conseguiu ser finalizada em 1974, com o título indo para o Palmeiras.

A estratégia de usar o futebol para acalmar a população voltou em 1977. Neste ano, já eram incríveis 62 clubes na disputa do torneio, que precisou ser alargado. Com isso, o São Paulo acabou sendo campeão só em março de 1978, ao bater o Galo.

 

Três anos com a marca do carimbo do que sabemos de melhor no futebol: criar conflito de datas.

Em 1986, a CBF achou que o Brasileiro estava tranquilo e estipulou nada menos que 80 participantes. Sendo 44 entre os grupos A e D, e mais 36 entre o E e H. A confusão foi acabar nos tribunais e a irritação dos clubes foi tanta que criaram o Clube dos 13, com os ditos maiores do país. O título ficou com o São Paulo e a bomba na organização sobrou para a competição de 1987...

 

1987, um campeão e várias "finais" nos tribunais

1987 foi tão confuso que provocou uma disputa de décadas nos tribunais. Mesmo antes do início da competição, clubes e CBF travaram discussões durante meses sobre o formato e a realização (ou não) do torneio. Tanto que o campeonato só veio começar em setembro, e o campeão terminou conhecido em fevereiro de 1988 - mas ainda hoje provoca polêmicas.

A decisão final do Supremo Tribunal Federal, maior instância da Justiça brasileira, aponta o Sport como único dono do título, só que a torcida do Flamengo e o próprio Rubro-negro carioca insistem em se autodeclararem campeões.

 

A questão é que, naquele ano, a fórmula do campeonato previa um quadrangular entre os finalistas do Módulo Amarelo e do Módulo Verde. Ou seja, Sport, Guarani, Flamengo e Internacional se enfrentariam para definir o campeão. Só que o clube da Gávea e o Colorado se recusaram a entrar em campo - perdendo as respectivas partidas por W.O.

Na final, o Sport superou o Guarani e conquistou a taça. Mesmo 33 anos depois, o Flamengo ainda busca um caminho para, ao menos, dividir o título com o Leão - pedido não aceito pelos tribunais.

 

1988 marcou a despedida da Copa União

Uma competição que iniciou sem que o regulamento tivesse sido divulgado pela CBF. Apesar da falta de cuidado, o torneio passou sem muitas brigas jurídicas. No final, o título ficou com o Bahia, que venceu o Internacional, em fevereiro de 1989.

 

2000 chega com novo nome: Copa João Havelange

Era mais um ano com 116 clubes divididos em módulos - Azul, Amarelo, Verde e Branco. Apesar de dividi-los com base na classificação do ano anterior, alguns clubes foram deslocados, o que gerou certa confusão.

A competição iniciou em julho de 2000 e transcorria relativamente tranquila até que, no segundo jogo da final, realizada entre Vasco e São Caetano, o alambrado de São Januário desabou, levando milhares de pessoas para dentro do campo e centenas de feridos. Incidente que fez a partida ser adiada.

O movimento fez a equipe paulista tentar ser declarada campeã, mas a CBF remarcou o jogo para janeiro de 2001. Duelo que acabou com a vitória vascaína por 3 a 1, no Maracanã.

Assista

Fonte: ge
  • Domingo, 10/01/2021 às 20h30
    Vasco Vasco 3
    Botafogo Botafogo 0
    Campeonato Brasileiro São Januário
  • Sábado, 16/01/2021 às 21h00
    Vasco Vasco
    Coritiba Coritiba
    Campeonato Brasileiro São Januário
  • Quarta-feira, 20/01/2021 às 21h30
    Vasco Vasco
    Red Bull Bragantino Red Bull Bragantino
    Campeonato Brasileiro Estádio Nabi Abi Chedid
  • Domingo, 24/01/2021 às 20h30
    Vasco Vasco
    Atlético-MG Atlético-MG
    Campeonato Brasileiro São Januário
  • Quarta-feira, 27/01/2021 às 19h15
    Vasco Vasco
    Palmeiras Palmeiras
    Campeonato Brasileiro Allianz Parque
  • Domingo, 31/01/2021 às 16h00
    Vasco Vasco
    Bahia Bahia
    Campeonato Brasileiro São Januário
  • 06/02 (sáb), 07/02 (dom) ou 08/02 (seg)
    Vasco Vasco
    Flamengo Flamengo
    Campeonato Brasileiro Maracanã