Especulações e Saídas clique aqui

Troca de acusações e rupturas fervem novamente política do Vasco

24/11/2019 às 08h20 - POLÍTICA
Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.brConselho Deliberativo

O eterno caldeirão em ebulição da política do Vasco voltou a ferver. Na iminência de pautas importantes a serem tratadas, como eleições diretas, reforma do estatuto e modernização de São Januário, trocas de acusações têm sido constantes entre os conselheiros e processos de ruptura têm acontecido nos grupos.

Ainda sem data definida para votar as mudanças estatutárias - uma vez que a sede da Lagoa, onde ocorrem as reuniões do Conselho Deliberativo, está reservada para um "jantar harmonizado" no dia em que havia sido marcada inicialmente o debate - o clube caminha para um fim de ano conturbado.

O benemérito Eurico Brandão, filho do falecido ex-presidente Eurico Miranda, promete, por exemplo, se pronunciar sobre eleições, concessões de títulos de beneméritos e urna 7 (que foi suspensa no último pleito pela Justiça em função de suspeita de fraude). De acordo com o ex-vice de futebol cruzmaltino, "tudo ficará no seu devido lugar".

Dentro do Conselho Deliberativo, uma comissão com oito nomes de variadas correntes políticas foi formada para analisar todas as associações e anistias desde o início do mandato do presidente do clube, Alexandre Campello.

Segundo algumas pessoas ligadas à integrantes deste grupo, o mandatário tem oferecido resistência para fornecer as documentações solicitadas, o que tem gerado desconfiança e incômodo.

No próximo dia 2, o Conselho de Beneméritos se reúne para discutir o parecer favorável sobre a reforma de São Januário, que prevê uma ampliação para cerca de 40 mil pessoas e um investimento de um fundo na casa dos R$ 200 milhões.

Oposição também "rompe"

Entre os quadros de oposição, há também processos de ruptura. O grupo "Confraria Vascaína", por exemplo, se desligou da base de apoio da Sempre Vasco, que tem como líder o ex-candidato à presidência Julio Brant, que é nome forte para se candidatar novamente.

Em nota, o grupo alegou que "passa a ter um posicionamento independente, uma vez que há divergências incontornáveis na condução do grupo de oposição".

Fonte: UOL Esportes