Valdir Papel relembra época de Vasco e "empurrão" de Renato Gaúcho

05/01/2020 às 18h34 - CLUBE
Foto: Pacajus EC/ReproduçãoValdir Papel, auxiliar técnico do Pacajus
Valdir Papel, auxiliar técnico do Pacajus

Poucas pessoas lembram se falarmos Waldirgly Bezerra Lima. Mas se o nome mencionado for o do cearense Valdir Papel, vem à memória dos torcedores a carreira de um dos atacantes mais emblemáticos do futebol brasileiro. Aposentado dos gramados desde o fim de 2017, o ex-jogador tem pela frente um novo desafio: o de auxiliar técnico do Pacajus, time da Região Metropolitana de Fortaleza e que vai disputar pela primeira vez a elite do Campeonato Cearense em 2020.

Aos 40 anos, Valdir Papel encerrou a trajetória como atleta no União Rondonópolis. Com a aposentadoria, ele passou a se dedicar aos estudos para iniciar a carreira de treinador. A oportunidade como auxiliar técnico surgiu no fim do ano passado com o convite de Júnior Cearense, técnico do Pacajus e amigo do ex-atacante, para integrar a comissão técnica do time.

- A gente vinha motivado nessa carreira de jogador, então a gente vai pegando gosto pela coisa. O envolvimento com o futebol era grande, e teve o convite do Júnior (Cearense), que é um amigo que conheço há muito tempo. Logo de imediato eu aceitei. É uma coisa que eu gosto de fazer, que eu sei fazer, que é estar no meio do futebol, quase 20 anos de carreira, e espero estar ajudando - declara o auxiliar técnico do Pacajus.
 

Com passagem por mais de vinte clubes, Valdir Papel ganhou holofote nacional em 2006, quando esteve no Vasco. Na ocasião, o atleta foi titular no segundo jogo da final da Copa do Brasil contra o Flamengo, e acabou levando um empurrão do então técnico cruzmaltino Renato Gaúcho. O ex-atacante foi expulso ainda no primeiro tempo, e após o ocorrido, foi perdendo espaço no time.

Apesar de lamentar toda a repercussão negativa do episódio, o ex-jogador comemora a visibilidade adquirida. Valdir Papel também destaca que não teve maiores desentendimentos com Renato Gaúcho na época, e agradece aos ensinamentos passados pelo treinador.

- A partir daquele momento, foi ruim em uns pontos para mim, mas de outro lado foi bom também para ficar bastante conhecido, não do jeito que eu queria, mas foi bom por isso. Nunca tive desavença com ninguém, nem com o Renato Gaúcho, apesar daquele episódio, no outro dia foi retratado - relembra Valdir.
 

Integrando a comissão técnica do Pacajus, Valdir Papel entende que o momento é de valorizar o "empurrão" recebido no passado. Na visão do auxiliar técnico, é preciso ter maior cautela no tratamento com os jogadores, principalmente pela evolução no estilo de jogo ao longo da última década.

- Dependendo do empurrão, faz toda a diferença. Nos últimos três, quatro anos como jogador, que eu comecei a ver que eu viria para esse lado, a gente passa a enxergar de outra maneira. Tem que ter bem mais paciência e ser bem mais tranquilo, principalmente com os atletas. O futebol jogado há uns dez anos atrás é bem diferente desse de hoje. Tem que estar sempre atualizado, sempre estudando. O futebol hoje requer isso - enfatiza.

O Pacajus estreia neste domingo (5), às 16 horas, pelo Campeonato Cearense. O Índio do Vale do Caju visita o Caucaia no Raimundão na primeira rodada da competição.

Fonte: Globoesporte.com