O mais querido do Brasil em 1973 e o engajamento da torcida vascaína

14/06/2020 às 17h41 - CLUBE

Além obviamente do tamanho, o engajamento tem se mostrado cada vez mais relevante para definir a importância de uma torcida. Apesar da inconstância dentro de campo (oriunda de problemas fora dele há quase 20 anos, leia-se: dirigentes) e da gravíssima situação financeira do clube, a torcida do Vasco vem sustentando desde o ano passado (2019) um louvável engajamento.

Tudo começou com uma brincadeira em março de 2019 que levou o Gigante da Colina a virar trending topics no twitter. O fenômeno se iniciou despretensiosamente com o ídolo Edmundo que costumava (e ainda costuma) escrever “Vasco” em fotos aleatórias no Instagram, mesmo sem qualquer relação com o clube. A torcida descobriu e passou a fazer o mesmo escrevendo o nome do time em fotos e postagens nas redes sociais, independente do contexto. A brincadeira viralizou e ganhou proporções mundiais.

Saindo do campo da brincadeira, os torcedores começaram a mostrar em seguida como o engajamento poderia se materializar de forma positiva quando o clube lançou uma campanha de arrecadação para a construção do novo CT. Com cerca de R$ 2 milhões arrecadados em 10 dias a vaquinha online criada pelo Vasco bateu recorde como a maior campanha de crowdfunding do Brasil em termos de velocidade de arrecadação e número de contribuintes. Com esse dinheiro o clube conseguiu tirar o sonho do papel e começar as obras.

Porém o grande marco desse protagonismo da torcida veio sem dúvida com a campanha de sócio torcedor no final de 2019, quando uma avalanche de vascaínos se associou em massa, estimulados por um uma promoção da Black Friday, fazendo o clube saltar de 32 mil para mais de 180 mil sócios torcedores tornando-se o clube com mais sócios no Brasil e um dos maiores no mundo. Aproveitando a “experiência” anterior, foi visto um intenso processo de participação nas redes sociais por parte dos torcedores (e também jogadores, artistas e patrocinadores) formando um verdadeiro exército virtual para divulgar e compartilhar a campanha visando alcançar o topo da lista no Brasil. Em 14 dias o Vasco teve uma incrível alta de 466% no número de sócios, um feito único no futebol mundial.


O título de “Clube Mais Querido da Guanabara” em 1973


Mas o engajamento da torcida vascaína não é novo e já foi visto em outras décadas. Mais precisamente em 1973, ano em que uma campanha da Revista Placar e do Jornal dos Sports para escolher o “Clube Mais Querido da Guanabara” levou a uma participação em massa de vascaínos. Para quem não se lembra, a Guanabara representava o antigo Distrito Federal, que era exatamente a cidade do Rio de Janeiro. Foi um Estado que existiu entre 1960 e 1975 até a unificação da cidade com o restante do Estado do Rio de Janeiro.

Naquela época a torcida do Flamengo já estava consolidada como a maior da cidade do Rio de Janeiro, como mostrou uma pesquisa da Revista Placar em 1971 e relembrada recentemente pelo site Verminosos por Futebol. A pesquisa encomendada ao Instituto Gallup mostrou que o Flamengo tinha praticamente o dobro de torcedores do Vasco, 35% contra 18%. Então era natural esperar a vitória dos rubro-negros no concurso do mais querido. Entretanto, diferentemente de uma pesquisa de opinião, a eleição do clube mais querido dependia da maior predisposição do torcedor em participar, pois, era necessário comprar o jornal, preencher um cupom e enviá-lo.

Explicando um pouco mais o regulamento do concurso (que acontecia paralelamente em todos os Estados do país): o leitor deveria preencher um cupom que seria publicado diariamente no tradicional Jornal dos Sports indicando o nome do clube de sua preferência e depositá-lo em urnas instaladas nas lojas do Ponto Frio (patrocinador do concurso) ou na sede do Jornal, além de poder também enviar pelos Correios.

Após o início do concurso, a primeira e segunda apuração (respectivamente dias 4 e 10 de maio) mostravam o esperado: o Flamengo na frente como o clube mais querido da Guanabara. Nas semanas seguintes o concurso foi ganhando cada vez mais repercussão entre os torcedores. Alguns iam pessoalmente conferir a apuração semanal na sede do jornal para se certificarem de que não haveria nenhuma fraude. Os flamenguistas já começavam a cantar vitória, como se vê na reportagem reproduzida na imagem a seguir, onde um torcedor — chefe da Charanga rubro-negra — diz que o Flamengo não iria mais perder a posição e que quando entra em uma competição é para ganhar.

 

O concurso continuava repercutindo bastante e o jornal relatava um número crescente de votos chegando à sua sede. Foi então que a partir da terceira apuração no dia 17 de maio o cenário começou a mudar: o Vasco passou o Flamengo no concurso do mais querido da cidade já com uma diferença de 514 votos. E foi assim até o final do concurso com a torcida do Vasco iniciando um processo de votação em massa, em uma onda que só crescia a cada nova apuração e divulgação.

O Vasco abriu larga vantagem ao longo das semanas em que o concurso ia transcorrendo (de maio até o início de agosto) e se consolidou para alcançar o posto de mais querido da Guanabara. Os títulos das matérias no Jornal dos Sports deixavam isso bem claro e mostravam progressivamente a consolidação da posição de liderança dos cruzmaltinos.

Em uma das parciais, com cerca de dois meses de concurso (19/07/1973), o Jornal anunciava uma superioridade de 40 mil votos do Vasco sobre o Flamengo, já indicando que seria difícil reverter esse quadro, pois, faltavam apenas duas semanas para o término da votação.

E assim não teve jeito: a última apuração em 04 de agosto acompanhada de torcedores que já tinham preparado até a “Bandeira da Vitória” indicou que no voto da torcida o Vasco era o Clube Mais Querido da Guanabara. Na reta final os rubro-negros tentaram reagir como mostra o resultado parcial da 14ª apuração. Mas era tarde demais, a classificação geral indicava o Vasco como o mais querido, com uma superioridade de 31.553 votos.
 

Curiosamente (como se vê na imagem acima) o jornal anunciou que o clube era o mais querido do Brasil, mas na verdade eram coisas separadas: havia a eleição em cada estado e a do país como um todo, sendo que a da Guanabara é que vinha sendo liderada esse tempo todo pelo Vasco.

O concurso promovido pelo Jornal dos Sports e pela Revista Placar virou um prato cheio para provocações e piadas entre os torcedores, como seria fácil de imaginar. Exatamente o que acontece hoje em dia, mas ao invés do twitter o instrumento que se utilizava na época era o envio de cartas para a coluna dos leitores no jornal.

Como toda boa polêmica entre torcidas existem argumentos para os dois lados. Um deles é que apesar de ter dado Vasco na Guanabara, o Flamengo venceu a eleição de mais querido do Brasil. Mas há um contraponto vascaíno. Como se vê na edição da revista Placar com os resultados finais de todo o país em agosto de 1973, o número de votantes na eleição da Guanabara foi muito superior ao da eleição nacional. No concurso para o Brasil o Flamengo obteve 48.952 votos contra 25.106 do Vasco. Já na Guanabara, como foi visto, o Vasco teve 157.756 e o Flamengo 126.609. Logo, em números absolutos — somando as duas eleições — teve mais vascaíno participando.

 

Foto: Jornal dos SportsCapa do Jornal dos Sports de 04 de agosto de 1973 anunciando a vitória vascaína
Capa do Jornal dos Sports de 04 de agosto de 1973 anunciando a vitória vascaína

Fonte: medium.com