Opinião: O Vasco tornou-se uma entidade beneficente

16/01/2006 às 13h10 - IMPRENSA

O Vasco de há muito deixou de ser clube social e time de futebol. Tornou-se entidade beneficente. O Eurico tem, pelo Romário, um misto de gratidão e cumplicidade. É grato pelas dívidas milionárias que o Romário não lhe cobra, ao menos não lhe cobrou até agora. Como agradecer tamanho favor? Concedendo-lhe privilégios. Pondo o time a seu serviço.

O pior é que grande parte dos vascaínos está de acordo com esta aberração: que se dane o Vasco desde que os mil gols do velhinho sejam alcançados. Se possível, nesta encarnação.

O futebol carioca é pobre, e as estrelas que lhe restam são anãs

Márcio de Castro queixa-se polidamente de que implico com o Vasco. E poupo os demais clubes, em tudo iguais ao Vasco. Discordo. O Botafogo faz papel de bobo, o Flamengo anda às tontas, o Fluminense já se acha favorito sem justificar tanto otimismo, mas nenhum deles se suja pelo prazer de sujar-se, como fazem o Vasco e seu presidente vitalício.

Fonte: Coluna de Cláudio Mello e Souza - Extra